terça-feira, 22 de novembro de 2016

Choque de Distâncias.

Era tão simples e natural
Soluço ao lembrar do tempo
Em que não sentia esse calor infernal
Com teu menor movimento

Teus motivos são desconhecidos
Mas tento sempre uma explicação
A vida tem sabor de amor proibido
E os sonhos, aroma de prazer e emoção

Teu rosto é um mero artifício
Quando penso na espessura de tua pele
Uma história sem início
Que a loucura, desesperada, impele

Teu nome é um mantra
Quase como uma oração
Em teu ser, minh'alma encontra
A pureza da admiração

Tua imagem me atordoa
Agride tão feroz o meu peito
Que por todo o corpo ressoa
Sem permissão nem respeito

Sim, eu te culpo
Por essa tortura sofrível
Teu pecado, teu insulto
Provocar o impossível

Não sabes o que passo
Quando estás junto a mim
Temo que em algum abraço
Meu sufoco não tenha fim

Não sabes o que sinto
Quando miro teus olhos vidrados
Desvio e sou quase extinto
Morto até ser despertado

Não sabes o que penso
Em meio à rotinas incessantes
Noutro plano quente e denso
Torno tuas noites mais picantes

Lamento muito não te ver
Mesmo sabendo que assim é melhor
Essa insana paixão tem muito poder
Mas a razão é ainda maior

As circunstâncias são claras e irredutíveis
Mas onde sou rei, prova de minhas carícias
Contando minutos impassíveis
Pra beber desejo, amor e outras delícias


Samuel Garcia
Piratini, 22/11/2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário