quarta-feira, 25 de maio de 2016

O Pouco pra Paixão.

Aceitaria aqui comigo
Você, repleta de desejos
Vivendo em meu abrigo
Bebendo dos meus beijos

Ouvindo desses lábios
Aquele segredo sorrateiro
Que descontente com a metade
Abocanha o inteiro

Ele que pode ser revelado
Mas é necessário entender
Senão estaremos jogados
Atrás apenas de calor e prazer

E só isso, não basta
Eu sei que você sabe...

Quando chegar a sua hora
Diga baixo e com autoridade
Se pelo nosso eterno agora
Me concede essa liberdade

Eu juro que tinha suas palavras
Mas as deixei em seu riso
Três sentidos desligados
Reforçam os dois de que preciso

Peço infinitos perdões
Se pareço distraído
É que fico, por ocasiões
Completamente seduzido

Quero cada vez mais lhe viver
Esqueço o porquê da timidez
Esses dois sentidos, já desligo
E agora ativo os outros três

O tato é o mais ousado
Invasão pura e plena
Percorre um trajeto traçado
Sem vergonha ou pena

Pelos que se enrijecem
Com poderosos calafrios
Dedos, ali, passearam
Por sobre seus sonos vazios

O olfato é o mais romântico
Aplica sua essência em mim
Um pouco de você aqui dentro
É uma emoção que não tem fim

E mesmo se não estiver ao meu lado
Eu vou tentar reviver
Um lençol, uma lembrança
Qualquer que tenha a marca de você

O paladar é uma onda
Que levanta o sal do oceano
Você, pra mim, é natural
Somente eu sou humano

E no meio de tanto sal
Encontro algo macio e doce
Um beijo faz com que eu sinta
A paixão que de longe, você trouxe

Ao meu redor, tudo me chama
Desperto desses devaneios
Quando sou mais imparcial
Fico tomado de receios

Se estou prestes a explodir
É porque não consigo deixar pra trás
Os ventos lhe trarão aqui?
A esperança levemente se desfaz

Falta muito pouco
Para uma paixão, brotar
Como pode eu querer
O que antes, custei a matar?

Mas se é pra ser diferente
Eu aceito de bom grado
Uma paixão pra cuidar
Apagará o velho pecado


Samuel Garcia
Piratini, 25/05/2016