domingo, 24 de agosto de 2014

Sofrendo Escrevo.

As palavras vão saindo
E preenchendo o papel
As linhas vão sumindo
Perante tão cinza, véu

Por trás de cada letra
Existe um sentimento
Por trás de cada frase
Existe um pensamento

Se, às vezes, fica sem nexo,
É porque estou sofrendo
E no meio de uma frase
As palavras já vão morrendo

Escrever acalma o coração
E faz a cabeça pensar
Escrever ocupa a mente
E não deixa a alma chorar

Cai a lágrima, a tinta borra
Mas não é nada demais
Pois o papel compreende
O que, em mim, não cabe mais

Os pesares sempre atormentam
Ao escrever encontro abrigo
A aceitação me parece mais próxima
Quando procuro a paz comigo

A inspiração vem a cada suspiro
E o desabafo a cada verso
Eu faço da poesia, a companheira
E das rimas, meu progresso

Sofrendo escrevo
Tristes verdades
Intrigas e traições
Mágoas e saudades


Samuel Garcia / Carine Moreira
Piratini, 24/08/2014

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Passado e Distração.

Como descobrir o que me distrai?
Essa sensação de estar ficando pra trás
As casas e as paisagens envelhecem
E de mim, se distanciam mais e mais

Talvez nos dias que não vêm na memória
Nas alegrias mais puras que já senti
Estão elas presas em outra existência
Que, em uma fração, eu esqueci?

As mudanças e o desejo de regressar
Tive preciosidades nas mãos
Mais valiosas que ouro e prata em abundância
E hoje, não tenho nem mesmo um grão

Quando algo é tirado, outro é recebido
São outras palavras, outros pensamentos
Nos tornamos melhores, quem sabe mais humanos
Diante desse mundo de audácias e lamentos

Os rostos e as amizades que encontro
Se ajudassem a mim a compreender a razão
Dessas nossas vidas corridas
Que parece não se cruzarem em vão

Comuns ou raras ocasiões
É inútil uma chance resgatar
Se é possível que um caminho esteja ali
Em alguém, cuja tendência, é ignorar

Por vezes somos tão perdidos
Na busca de sermos encontrados
Se não nos encontramos no presente
Então mergulhamos no passado

O que há muito está esquecido
Dificilmente fará alguma diferença
Olhar pra trás pode ser um pecado
Se houver aperto no peito, a saudade imensa

O necessário é nada mais que renovar
"Águas passadas não movem moinhos"
Já diziam aqueles que com vontade
Lutavam contra tudo, sozinhos

O passado cerca e seduz
Com doces lembranças e aparente convicção
Mas se ao fim de tudo, não houve um sorriso
Tudo se trata de uma injusta e equívoca ilusão

Já sei o que me distrai
Eu sou livre pra ser, viver e fazer
As casas e as paisagens se aproximam
Ora pois, voltei a envelhecer


Samuel Garcia
Piratini, 20/08/2014