domingo, 6 de agosto de 2017

Fenomenal.

Profano e sagrado em união
As chamas estalam em um carnaval
Na mescla de crenças, uma religião
Complexa, singela e fenomenal

Atração e repulsão em constante contato
Extraem do necessário, o essencial
Atentas ao instante exato
Para gerarem um prazer fenomenal

Amargo e insosso em paladares
Um céu ruivo fechado e uma fossa abissal
Quando as águas brincam com os ares
Provamos um gosto fenomenal

Permitido e proibido em cenários surreais
Dançam à espera da palavra final
Entre passos corretos e truques mentais
Jaz um sentimento fenomenal

Brilho e poeira em olhos cansados
Que enfrentaram lágrimas e cores irreais
São arco-íris em dias ensolarados
Os temperos para vidas fenomenais

O gesto de ternura em meio à violência
O sopro de ar quente que acerta o varal
O pleno apego à sobrevivência
A canção do passarinho que invade o quintal

O beijo com gosto de querer bem
A água veloz que atravessa o canal
O segredo dirigido a ninguém
O amor nos olhos de um animal

O que se compreende e o que não
Nascem de um mesmo ventre
Todos fenômenos sem distinção
Filhos do hoje e do sempre


Samuel Garcia
Piratini, 06/08/2017