quinta-feira, 10 de abril de 2014

Em um Outro Outono.

E quanto tempo já faz
Que o presente se foi e não se despediu
Hoje, outro presente e as mesmas razões
Que meu coração não ouviu

Sei daquelas falhas
Mas quem as cometeu?
Apesar de tantas batalhas
Não foi você, muito menos eu

E eu, o tempo todo
Humilde e sedento de amor
Ao querer nossa vida ao meu modo
Me deixei levar pelo sonho tentador

Eu vi o tudo e o nada acontecer
Enquanto treinava as promessas certas
Mesmo antes de jurá-las, já se puseram a morrer
E nem sequer suas sobras foram descobertas

Fomos imprudentes e egoístas
Nossos erros excederam a nós mesmos
Em um choque de emoções mistas
Não houve a ligação, a sintonia

Tivemos o instante
Mas nem tudo é para ser
Às vezes o que nos parece importante
Só sabe nos enfraquecer

Meus enganos me consumiram
Quando vi o teu real
Venerações se extinguiram
Ao perceber que tu eras tão normal

Enganado sobre ti
Ou certo sobre aquela outra
Eu sempre senti
Que agora tu és outro alguém

Então me diz
O que fez dela?
Aquela menina feliz
Que tratei como donzela

Se por acaso a levou
Pr’outros campos, outros mares
Diga que o poeta a procurou
Por todos os lugares

A doce menina que me fascinava
Partiu de meus braços após um beijo
E me calei quando percebi que não realizava
Aquele meu mais sincero e intenso desejo

Nada do que te compunha ficou
A aura daquela menina há muito se apagou
Mas ela vai brilhar mais uma vez
Num outro corpo por aí...

E mesmo assim, eu sei
Que não te amei
Eu conheço o amor
Mas nunca o senti...


Samuel Garcia
Piratini, 10/04/2014

domingo, 6 de abril de 2014

Sol

Quando o tempo se desfaz
E os objetivos desaparecem,
Só tu, Sol, traz de volta
Todos aqueles que se perdem.

Falo de todos porque sou uma deles
Pois quantas vezes perdi-me em um olhar indiferente?
Perguntando-me qual era o caminho,
O que nos levava à frente?

Toda a luz que há em mim hoje
Foste tu que me doou;
E um pouco antes do fim dessa noite
Devolver-te-ei o que sobrou.

Se sou Lua agora
É porque tu iluminas minha rua
Por isso, não importa o que haja,
Uma parte minha vai ser sempre tua.


Maikele Farias, 
Dedicada à Edison Júnior. 
Porto Alegre, 2014.